A ciência da felicidade

Tal Ben-Shahar, autor do best-seller Seja Mais Feliz, fala sobre o porquê não devemos “quarentenar” a felicidade

Publicado em 24 de novembro de 2020

Em um contexto de uma crise sanitária sem precedentes na história contemporânea, que já deixou mais de 1 milhão de mortos, pode parecer um contrassenso falarmos sobre felicidade. Não para o psicólogo israelense Tal Ben-Sharar, que lecionou por 25 anos em Harvard e tem na felicidade justamente seu objeto de estudo. Ele esteve no primeiro dia do Fórum de Inovação e Alta Performance, que começou hoje, 24/11, e continua amanhã, 25/11, em modo digital (confira a programação minuto a minuto e inscreva-se agora).

“Mais do que nunca é o momento de olharmos para o que nos deixa felizes e para os fatores que bloqueiam este sentimento”. Isso porque o exercício da felicidade aumenta a nossa capacidade de “antifragilidade”, uma espécie de resiliência 2.0, que nos permite vivenciar um trauma e dele não apenas voltarmos à nossa capacidade anterior, mas ainda melhores. “Todos nós estamos passando por um trauma coletivo.Isso significa que podemos crescer juntos, como humanidade.”

Em suas pesquisas, o especialista chegou a algumas premissas do que pode garantir a tão almejada felicidade e a primeira delas é justamente nos permitirmos ser humanos. Para ele, estamos pagando um preço alto por suprimir as nossas emoções. “Quando tentamos suprimir um fenômeno natural, ele se intensifica. Temos de aceitar e abraçar os nossos sentimentos e isso inclui inveja, raiva e tristeza”, afirma.

Outro ponto destacado é o mito de que o estresse é necessariamente um problema, quando potencialmente pode ser algo bom e poderoso para incrementar o nosso “sistema antifragilidade”. “A questão está na ausência de tempo e de condições para nos recuperar”, diz. O psicólogo destaca que há múltiplos níveis de recuperação, que pode ser um intervalo de 15 minutos a cada duas horas de trabalho, uma boa noite de sono, um day-off, ou um período maior de férias, por exemplo. 

Confira os destaques da participação de Tal Ben-Sharar no primeiro dia de evento.

1- “Todos nós estamos passando por um trauma coletivo. Isso significa que podemos crescer juntos, como humanidade.”

2- “A felicidade nos ajuda a voltar melhor do que a forma original após vivenciarmos um trauma.”

3- “O estresse pode ser algo potencialmente bom para nós. O problema está na ausência de tempo e condições para nos recuperar.”

4- “Pessoas que descansam produzem mais e melhor e isso é inquestionável.”

5- “Estamos pagando um preço alto por suprimir as nossas emoções, especialmente as negativas. Precisamos aceitá-las e abraçá-las. Do contrário, elas se intensificam.”

6- “O fator número um para a felicidade são os relacionamentos independentemente do tipo. Inclusive é possível desenvolver relacionamentos profundos virtualmente.”

7- “É importante entender que cuidar da saúde mental é um componente de competitividade para as empresas.”

8- “Tecnologia é maravilhosa. Mas ela tem se tornado um problema porque somos viciados. É preciso criar “ilhas de sanidade” durante o nosso dia sem acesso à tecnologia.”

Texto: Luana Dalmolin

Imagens: Reprodução | Experience Club