Cinco dicas para manter o foco e combater a hiper conectividade

Cinco dicas para manter o foco e combater a hiper conectividade

Descubra como alcançar a clareza mental em um mundo bombardeado por estímulos digitais

Publicado em 16 de janeiro de 2020

Por Cristie Maia*

Ao longo do dia recebemos milhares de estímulos visuais, sonoros e auditivos. Afinal, essa é a era da hiperconectividade. Certamente, isso proporciona uma série de benefícios, desde a expansão do acesso ao conhecimento, agilidade dos processos, dinamização da informação, até a criação de novas formas de se relacionar.

O contraponto dessa condição excessiva está na parte funcional do sistema operacional de cada indivíduo, ou seja; no processo de integração dos inputs mentais e emocionais gerados por tantos estímulos. Assim como o estômago leva algumas horas para digerir os alimentos, o cérebro leva um certo tempo para assimilar todas as informações que recebe.

Se temos informações em excesso sendo processadas em nossa mente, fica muito mais difícil organizar as ideias, o que pode causar stress, prejudicar os níveis de produtividade e o poder de tomada de decisões.

O impacto exponencial tecnológico já está acontecendo e é inevitável. A saída é se preparar para lidar de maneira saudável com as mudanças que estão vindo por aí. 

Com estas cinco ferramentas simples e práticas para o uso no dia a dia, é possível melhorar o foco e a clareza mental em meio a tantas demandas e informações. Confira:  

1-Comece com o básico, organização e planejamento

Já dizem os psicólogos e filósofos: o ambiente externo influencia o nosso mundo interior. Pense bem: se o objetivo é ter mais foco e clareza, deve-se começar com a organização e definição de prioridades. Então além do to do list, é essencial criar um ambiente que favoreça o foco e a concentração. Organização vem antes de tudo. 

2-Elimine sua habilidade de fazer outra coisa

Ao mudar constantemente de tarefas, o cérebro despende tempo e energia para se adaptar à nova fonte de atenção. Por isso, quanto menos pontos de distração, menor a tentação da dispersão.

Atualmente existem apps como o Forest, Be Focused e Moment que bloqueiam o uso dos smartphones durante um determinado período.

Se mesmo assim o desejo de pular de tarefa em tarefa persistir, volte ao to do list e tome nota, assim a mente entende que aquela informação não será perdida, liberando espaço para focar na tarefa principal. 

3-Dê um comando claro ao seu cérebro.

Uma técnica muito utilizada na PNL (Programação Neurolinguística) são as afirmações de comando. Elas consistem em estímulos para a criação de uma nova conexão neural, ou seja; uma forma de integrar um novo hábito ou condicionamento por meio da repetição mental. No início a frase funciona como um apelo motivacional, porém com o uso de forma constante e repetida se torna uma verdade para o cérebro que passa a atender aquele comando de forma instantânea.

A técnica deve ser usada de forma clara, sempre no presente e de forma afirmativa. Por exemplo: “Estou comprometido em ter foco para finalizar essa tarefa”. A partir daí é importante colocar a mão na massa para de fato realizar a ação, só assim a assimilação entre comando e ação será registrada e terá reais efeitos a longo prazo.

4-Dê um break criativo

Atualmente existem diversas metodologias que incentivam a determinação de tempo de concentração para tempo de descanso. Uma delas é a Pomodoro Technique que sugere o uso de um timer de 25 minutos de foco para 5 minutos de intervalo. As metodologias mais atuais sugerem um período de concentração de 52 minutos por 17 de descanso. Aqui a dica é encontrar o seu timing de funcionamento, tentar com poucos minutos e ir aumentando conforme o ganho de capacidade de concentração. Importante ressaltar que as pausas devem ser prazerosas, não vale dar um tempo em uma tarefa para checar os e-mails, o ideal é uma pausa para uma caminhada, um leve exercício como um alongamento, uma conversa com um colega, fazer um snack saudável ou até mesmo ver um vídeo engraçado. Após a pausa, comece novamente!

5-Treine sua mente.

O foco é como uma musculatura que precisa ser treinada. A maioria das pessoas se sente pressionada a ter um alto rendimento quando não está preparada para tal, fato que pode levar a exaustão mental e emocional. Antes de chegar a este ponto, ou simplesmente para aprimorar o desempenho cognitivo, é possível ampliar a capacidade de concentração através de técnicas simples utilizadas por diferentes culturas há milhares de anos, como a meditação.

Por definição, a meditação é a supressão da instabilidade mental, o ato de estabilizar corpo, emoções e mente a tal ponto que a consciência flua por meio de um canal mais sutil, dando acesso à intuição. Claro que para chegar a esse estado é necessário treinamento e disciplina, mas com poucos minutos de treinamento diário é possível ter um aumento perceptível na capacidade de foco e concentração.

*Cristie Maia é especialista em meditação e mindfulness pelo DeRose Method e faz parte da equipe do Experience Club.