Onii explora o varejo sem caixa nem atendentes

Startup brasileira que adota modelo semelhante ao da Amazon Go já tem 200 pontos de venda no Brasil e planeja internacionalização

Publicado em 12 de julho de 2021

Praticidade para as pessoas, uso de dados para melhorar a experiência de consumo e um modelo versátil que se adapta a diferentes ambientes do mercado. Essas são as principais características da Onii, startup varejista que desenvolveu um modelo de loja de conveniência autônoma em contêineres para vender produtos em condomínios e empresas.

Em menos de dois anos de operação, a empresa montou mais de 200 unidades, espalhadas pelo país, e agora faz planos para dar os primeiros passos no mercado externo e diversificar a atuação no Brasil.

De acordo com Ricardo Podval, um dos sócios do negócio, a empresa pretende abrir ainda este ano lojas em Dubai, Chile, Portugal e Estados Unidos, além de estudara a possibilidade de entrar também no Japão.

No mercado interno, além de lojas de conveniência em condomínios, prédios comerciais e empresas, a Onii pretende abrir lojas focadas em segmentos de mercado como os de Pet, farma, cosméticos e mobiliário urbano. O projeto de mobiliário urbano, em particular, é o mais adiantado, diz o empresário, e deve ser colocado nas ruas nos próximos meses.

Em certa medida, o modelo de operação da Onii é semelhante ao das badaladas lojas sem caixa e sem atendentes da Amazon, as Amazon Go. O acesso às lojas e o pagamento dos produtos é feito por aplicativo e os dados sobre os hábitos de consumo de cada ponto de venda são usados depois para melhora a experiência de compra.

De acordo com Ricardo Podval, um dos sócios do negócio, apesar da semelhança com a Amazon Go, o modelo nasceu da demanda de consumo de brasileiros que vivem em condomínios afastados dos centros comerciais e têm a necessidade de se locomover de carro para tudo o que precisam.

Dos quatro sócios da Onii – além de Podval, Tom Ricetti, Victor Bermudes e Conrado Rantin – dois já atuavam em empresas que serviram de base para o modelo de negócio da startup: Ricetti na padaria drive-thru Pão-To-Go; Victor em uma companhia de gestão de portarias em condomínios.

“Além de entender o consumidor na ponta e ter uma relação próxima com ele, a Onii também é um serviço que gera valorização do empreendimento pois passa a ser um argumento na hora de alugar ou vender um imóvel”, afirma Podval, ao citar a parceria que a empresa mantém com construtoras como MRV, Cyrella, Tecnisa e Bild.

Desenvolvida no Onovolab, um centro de tecnologia e inovação em São Carlos, no interior de São Paulo, a Onii teve investimentos iniciais de R$ 2 milhões, vindos de amigos dos sócios e de investidores-anjo.

A expansão dos negócios agora, porém, ocorrerá com um novo aporte financeiro, que segundo Podval a Onii está negociando com dois grandes fundos de investimento.

Até o fim deste ano a expectativa é atingir pelo menos 300 unidades e um faturamento de R$ 20 milhões. Já para 2022, a startup prevê atingir mil lojas no país. As unidades são licenciadas por valores entre R$ 30 mil e R$ 50 mil, dependendo do estabelecimento.

“É um modelo muito versátil e flexível, que se adapta a diferentes regiões, locais e renda, além de diferentes players do mercado como indústria, comércio e residência”, diz Podval.

Veja abaixo sete insights sobre as inovações da Onii no setor do varejo:

1 – Fidelização por dados

O acesso e o pagamento nas lojas da Onii são feitos por aplicativo, e o usuário recebe um relatório de suas compras.

A experiência 100% digital proporciona à empresa uma grande base de dados de cada cliente, explorada depois para melhorrar a experiência de compra dos consumidores.

Um exemplo é dar de brinde uma cerveja da marca que o cliente costuma comprar no dia de seu aniversário. “Essa fidelização e relacionamento com o usuário nenhum varejo tem”, afirma o sócio-fundador da Onii.

2 – Aportes financeiros

A empresa chegou ao mercado em 2019, após receber investimentos de amigos que somaram inicialmente R$ 2 milhões.

Segundo o Podval, a estratégia nesses primeiros dois anos de atuação foi consolidar o modelo de negócio para depois partir para maiores aportes junto a fundos de investimento.

No momento, a Onii participa de dois processos para obter investimento com grandes grupos, em iniciativa que alavancará a expansão da companhia. Atualmente, a empresa está avaliada em R$ 60 milhões.

3 – Expansão dos negócios

Mesmo já tendo unidades espalhadas por todas as regiões do país, a Onii pretende reforçar sua presença nas principais cidades do país, mas com foco nos estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais.

Neste ano, a companhia inicia também sua atuação no exterior. Terá lojas em Dubai, Chile, Portugal e Estados Unidos, e já mantém conversas avançadas com um grupo de empresários para chegar também ao Japão.

4 – Mercadinho de bairro

Com unidades de Norte a Sul do país, a Onii procura comercializar itens de acordo com a região, ou incluir nas prateleiras produtos voltados a determinadas épocas e datas do ano.

Entre os exemplos está a comercialização de tapiocas em lojas do Nordeste, e de fondue na cidade de São Paulo, durante o inverno.

Outra estratégia é incluir itens de pequenos produtores locais para “proporcionar aos clientes a sensação de mercadinho do bairro”, diz Podval.

5 – Parcerias com grandes empresas

As centenas de lojas da Onii são administradas por empreendedores licenciados. A reposição dos produtos pode ser feita diretamente pelos fornecedores dos produtos ou por meio de parcerias com grandes redes varejistas.

A empresa tem acordos com grandes empresas como Ambev, Coca-Cola, Heineken, P&G, Kibon, entre outros, além de grandes fornecedores em segmentos como carnes, leite e vinhos.

Segundo o sócio-fundador da empresa, o preço médio dos produtos é um pouco maior que o de uma grande rede de supermercado, mas menor do que de uma loja de conveniência em postos de gasolina.

6 – Mobiliário urbano

Entre os projetos de diversificação do negócio, a Onii está elaborando um modelo de mobiliário urbano voltado para bicicletas e patinetes elétricos. A ideia é que os equipamentos de mobilidade fiquem em contêineres, onde são carregados e acessados pelo aplicativo para aluguel por hora, dia ou semana.

O local também incluirá uma loja com produtos voltados para o uso de bikes e patinetes, além de produtos de consumo como água, isotônicos, salgadinhos e chocolate.

O projeto está sendo desenvolvido em parceria com a Farah Service, e a expectativa é que seja colocado no mercado ainda este ano.

7 – Projeto de impacto social

A empresa está criando também um braço de atuação voltado para as periferias, tendo como objetivo gerar renda e capacitação. Denominada de Eegloo, a nova marca foi desenhada pelo artista Kobra e o modelo de lojas terá o mesmo conceito das unidades da Onii.

Entretanto, a iniciativa também visa capacitar moradores da periferia para que se tornem empreendedores e donos de uma loja na região onde moram.

As lojas terão também produtos feitos por moradores locais, e serão patrocinadas por empresas parceiras. Parte da renda obtida será destinada para a ONG Turma do Jiló, voltada para a educação inclusiva.

“O nível de desemprego com a pandemia nessas áreas está altíssimo e um jeito de tentar ajudar essa população foi pivotando a Onii com esse novo modelo de negócio”, comenta o Podval.

Texto: Fábio Vieira

Imagem: reprodução