Anti-frágil

Coisas que se beneficiam com o caos

Publicado em 27 de agosto de 2021

Ideias centrais: 

1 – Restaurantes são frágeis; eles competem uns com os outros, mas por essa mesma razão o coletivo de restaurantes locais é antifrágil. Se os restaurantes fossem individualmente robustos, o negócio ficaria estagnado e só ofereceria comida de refeitório, ao modo dos refeitórios de estilo soviético. 

2 – O que os suíços não têm é um grande estado central, o que os governa é inteiramente de baixo para cima, as entidades mais ou menos municipais e regionais chamados de cantões, miniestados sem soberanos, unidos em uma confederação. 

3 – Nenhum dos comentadores de Sêneca detectou suas ideias sobre assimetria, que são essenciais para este livro, e para a vida, a chave para a robustez e a antifragilidade. 

4 – Vemos o poder da opcionalidade como uma alternativa de fazer as coisas, de modo oportunista, com alta margem competitiva oriunda da assimetria, com grandes benefícios e prejuízos benignos. 

5 – A cegueira literária dos tecnopensadores é um marcador de cegueira futura, porque vem acompanhada de uma depreciação da história. A literatura diz respeito ao passado. Não aprendemos física nem biologia nos livros medievais, mas ainda lemos Homero, Platão e o moderníssimo Shakespeare.  

Sobre o autor: 

Nassim Nicholas Taleb já havia publicado A lógica do Cisne negro, onde demonstrou que acontecimentos altamente improváveis e imprevisíveis dominam a nossa existência. Em Antifrágil, o autor confere um novo conceito à incerteza, tornando-a desejável e até mesmo necessária. O que Taleb identificou como antifrágil não só tira proveito do caos, como precisa dele para sobreviver e florescer. 

Introdução 

Algumas coisas se beneficiam com os impactos: elas prospectam e crescem quando expostas à volatilidade, à aleatoriedade, à desordem e ao estresse e adoram a aventura, o risco e a incerteza. Contudo, apesar da ubiquidade do fenômeno, não existe uma palavra para nomear o oposto exato de frágil – vamos chamá-lo de antifrágil.  

A antifragilidade está além da resiliência ou da robustez. O resiliente resiste a colisões e permanece igual: o antifrágil fica cada vez melhor. Essa característica está por trás de tudo que muda ao longo do tempo: evolução, cultura, ideias, revoluções, formas de governo, inovação tecnológica, sucesso cultural e econômico, sobrevivência corporativa, boas receitas (canja de galinha ou steak tartare com um toque de conhaque, talvez), o surgimento de cidades, culturas, sistemas jurídicos, florestas equatoriais, resistência bacteriana… até mesmo a nossa própria existência como espécie neste planeta. E a antifragilidade determina a fronteira entre o que é vivo e orgânico (ou complexo), como o ser humano, e o que é inerte, digamos um objeto físico como o grampeador em cima de sua escrivaninha. 

Por certo, se a antifragilidade é o atributo de todos os sistemas naturais (e complexos) que sobreviveram, privar esses sistemas de volatilidade, aleatoriedade e estressores os danificará. Eles enfraquecerão, morrerão ou implodirão. Estamos fragilizando a economia, nossa saúde, a vida política, a educação, quase tudo… ao eliminar a aleatoriedade e a volatilidade. Assim como passar um mês na cama (de preferência, com uma edição integral de Guerra e paz e acesso a todos os 86 episódios da série Família Soprano) resulta em atrofia muscular, sistemas complexos enfraquecem e até mesmo morrem quando são privados de estressores. Boa parte do nosso mundo moderno e estruturado nos tem prejudicado com diretrizes políticas de cima para baixo e geringonças (apelidadas neste livro de “delírios soviéticos de Harvard”) que fazem precisamente isto: insultam a antifragilidade dos sistemas. 

Quero viver tranquilamente em um mundo que não compreendo. 

Cisnes Negros (com iniciais maiúsculas) são eventos de larga escala imprevisíveis e irregulares, com consequências descomunais – imprevistas por determinado observador; esse não previsor é geralmente chamado de “peru” quando é ao mesmo tempo surpreendido e prejudicado por tais eventos. Defendi o argumento de que a maior parte da história deriva de acontecimentos Cisne Negro, enquanto nos preocupamos em aprimorar nossa compreensão do trivial e, assim, desenvolvemos modelos, teorias e representações que não são capazes de rastreá-los ou medir a possibilidade desses impactos. 

Antifrágil é composto de sete livros. Eles poderiam ser chamados de partes ou seções. Percebi que eles não eram ensaios autônomos: cada um deles lida com as aplicações de uma ideia central, aprofundando ou investigando diferentes territórios: evolução, política, inovação nos negócios, descobertas científicas, economia, ética, epistemologia e filosofia geral. 

A seguir são apresentados os livros à maneira de ensaios. O formato do ensaio pessoal é ideal para o tema da incerteza. 

Livro I – O antifrágil: uma introdução 

O Livro I, O antifrágil: uma introdução, apresenta a nova propriedade e discute a evolução e o orgânico como o típico sistema antifrágil. Analisa também os conflitos de escolha entre a antifragilidade do coletivo e a fragilidade do indivíduo. 

Antifrágil está além de robusto, forte, resiliente. Para perceber o quão estranho é o conceito para nossa mente repita a experiência e saia perguntando a todo o mundo, na próxima reunião, piquenique ou assembleia pré-manifestação, qual é o antônimo de frágil (e deixe bem claro), com insistência, que você está se referindo a exatamente o contrário, algo que tem propriedades e compensações opostas). As prováveis respostas serão, além de robusto: inquebrável, sólido, firme, resiliente, forte, à prova de alguma coisa (por exemplo, à prova d’água, à prova de vento, à prova de ferrugem) – a menos que as pessoas tenham ouvido falar deste livro. Errado – e não são apenas os indivíduos que ficam confusos com o conceito, fontes de conhecimento também: trata-se de um erro cometido por todos os dicionários de sinônimos e antônimos que encontrei. 

Outra maneira de entender: uma vez que o contrário de positivo é negativo e não neutro, o oposto de fragilidade positiva deveria ser fragilidade negativa (daí minha denominação “antifragilidade”), e não neutra, que apenas transmitiria a ideia de robustez, força e inquebrantabilidade. De fato, quando se pensa em termos matemáticos, antifragilidade é a fragilidade com um sinal negativo na frente. Esse ponto cego parece ser universal. Não existe uma palavra para “antifragilidade” nas principais línguas conhecidas, quer modernas ou antigas. 

Se antifragilidade é o que desperta e reage com exagero e sobrecompensa diante de estressores e de danos, então uma das coisas mais antifrágeis que encontraremos fora da vida econômica é certo tipo de amor refratário (ou ódio), que parece reagir de forma desmedida e sobrecompensar diante de impedimentos como a distância, incompatibilidades familiares e todas as tentativas conscientes de matá-lo. A literatura é abundante em personagens aprisionados em uma forma de paixão antifrágil, aparentemente a contragosto. O extenso romance de Proust, Em busca do tempo perdido, Swann, um marchand judeu elitista, apaixona-se por Odette, uma mulher de reputação questionável, uma espécie de “manteúda” de quinta categoria, uma semiprostituta, ou, talvez, apenas a quarta parte de uma prostituta: ela o trata mal. O comportamento arisco da mulher potencializa a obsessão de Swann, levando-o a se rebaixar pela recompensa de um pouco mais de tempo com ela.  

Assim, a antifragilidade torna-se um pouco mais complicada – e mais interessante – na presença de camadas e hierarquias. Um organismo natural não é uma unidade definitiva e única: compõe-se de subunidades, e ele próprio pode ser a subunidade de algum coletivo mais amplo. Essas subunidades podem disputar entre si. Vejamos este exemplo de negócios. Restaurantes são frágeis; eles competem uns com os outros, mas por essa mesma razão o coletivo de restaurantes locais é antifrágil. Se os restaurantes fossem individualmente robustos, portanto, imortais, o negócio como um todo ou ficaria estagnado ou enfraqueceria, e não ofereceria nada além de comida de refeitório – e eu me refiro à comida de refeitórios ao estilo soviético. Além disso, ele sofreria os estragos da escassez sistêmica, com crises ocasionais e o socorro financeiro do governo. Esses fatores – qualidade, estabilidade e confiabilidade — devem-se, todos, à fragilidade do próprio restaurante. 

Quando você será antifrágil. Podemos simplificar as relações entre fragilidade, erros e antifragilidade da seguinte forma. Quando você está frágil, depende de que as coisas sigam com exatidão o curso planejado, com um mínimo de desvio possível – pois os desvios são mais prejudiciais do que úteis. É por isso que o frágil precisa ser muito preditivo em seu enfoque, e, inversamente, os sistemas preditivos causam fragilidade. Quando você almeja desvios, e não se preocupa com a possível dispersão de resultados que o futuro pode trazer, já que a maioria deles será útil, você é antifrágil. 

Ademais, o elemento aleatório de tentativa e erro não é de todo aleatório se for realizado de forma racional, utilizando o erro como fonte de informação. Se cada tentativa fornecer a você informações sobre o que não funciona, você começa a pôr em foco uma solução – assim, cada tentativa torna-se mais valiosa, mais como uma despesa do que um erro. E, é claro, você fará descobertas ao longo do caminho. 

Livro II – Modernidade e a negação da antifragilidade 

O Livro II descreve o que acontece quando privamos de volatilidade os sistemas – principalmente, os sistemas políticos. Trata da invenção chamada de Estado-nação, bem como da ideia do prejuízo causado por aquele que deveria curar, alguém que tenta ajudar você, mas acaba por causar sérios danos. 

Vantagens do miniestado. Não é exatamente verdade que os suíços não têm governo.  Que eles não têm é um grande governo central, ou o que o discurso comum descreve como “o” governo – o que os governa é inteiramente de baixo para cima, entidades mais ou menos municipais e regionais chamadas de cantões, miniestados sem soberanos, unidos em uma confederação. Há muita volatilidade, com inimizades entre os moradores que permanecem no nível de brigas por fontes de água ou outros debates igualmente pouco inspirados. Isso não é necessariamente agradável, uma vez que vizinhos são transformados em bisbilhoteiros – é uma ditadura de base, e não no topo, mas ainda assim uma ditadura. Contudo, essa forma de ditadura de baixo para cima propicia proteção contra o romantismo das utopias, já que nenhuma grande ideia pode ser gerada em uma atmosfera tão pouco intelectual – basta passar algum tempo em cafés na parte antiga de Genebra, em especial numa tarde de domingo, para entender que o processo é tremendamente desintelectualizado, desprovido de qualquer sentido de grandioso, até mesmo francamente insignificante (há uma famosa piada sobre como a maior conquista dos suíços foi inventar o relógio cuco, enquanto outras nações produziram obras formidáveis – ótima história, exceto pelo fato de que os suíços não inventaram o relógio cuco). Mas o sistema produz estabilidade – uma estabilidade entediante – em todo os níveis possíveis. 

Modernidade. Minha definição de modernidade é a dominação em larga escala do ambiente por parte dos seres humanos, a suavização sistemática das irregularidades do mundo e o sufocamento da volatilidade e dos estressores.

A modernidade corresponde à sistemática extração dos seres humanos e de sua ecologia carregada de aleatoriedade – física e social, até mesmo epistemológica. A modernidade não é apenas o período histórico pós-medieval, pós-agrário e pós-feudal conforme definido nos livros didáticos de sociologia. É, antes, o espírito de uma época marcada pela racionalização (o racionalismo ingênuo), a ideia de que a sociedade é compreensível, portanto deve ser concebida, por seres humanos. Com ela nasceu a teoria estatística, e a partir daí a abominável curva em forma de sino. Assim também se deu com a ciência linear. E com a noção de “eficiência” – ou otimização. 

A medicina é, comparativamente, a boa notícia, talvez a única boa notícia no campo da iatrogenia. Vemos o problema que há na medicina porque hoje as coisas estão começando a ser controladas; é apenas o que agora chamamos de custo de fazer negócios, embora os erros médicos ainda mantem, atualmente, entre três (número aceito pelos médicos) e dez vezes mais pessoas do que os acidentes de carro nos Estados Unidos. De modo geral, admite-se que os danos causados por médicos – não incluídos os riscos dos germes hospitalares – respondem por mais mortes do que qualquer tipo de câncer. A metodologia utilizada pelo establishment médico para a tomada de decisões ainda é ingênua quanto aos princípios adequados de gerenciamento de riscos, mas a medicina está melhorando. Temos que nos preocupar com a incitação ao excesso de tratamento por parte de empresas farmacêuticas, dos lobistas e de grupos de interesses especiais, e com os danos não imediatamente evidentes e que não são contabilizados como “erros’. As grandes corporações farmacêuticas fazem o jogo da iatrogenia oculta e amplamente distribuída, e isso vem aumentando. É fácil avaliar a iatrogenia quando o cirurgião amputa a perna ou opera o rim errado, ou quando o doente morre em decorrência de uma reação a um medicamento. Mas, quando o pai ou a mãe médica uma criança para tratar uma doença psiquiátrica imaginária ou inventada – transtorno do déficit de atenção com hiperatividade (TDAH) ou depressão, digamos -, em vez de permitir que a criança seja livre, o dano a longo prazo quase sempre passa incólume. 

Livro III – Uma visão de mundo não preditiva 

O Livro III apresenta Tony Gordo e sua detecção intuitiva da fragilidade, e mostra a assimetria fundamental das coisas, ancorada nos escritos de Sêneca, o filósofo e fazedor romano. 

Tony gordo não acredita em previsões. Mas ganhou uma grana pesada prevendo que algumas pessoas – os previsores – iriam à falência. 

Modelos preditivos em questão. Isso não é paradoxal? Nas conferências, Nero costumava encontrar físicos do Santa Fe Institute que acreditavam em previsões e utilizavam mirabolantes modelos preditivos, enquanto seus empreendimentos e negócios baseados em previsões, não se davam tão bem assim – ao passo que Tony Gordo, que não acreditava em previsões, enriquecia graças a elas.

Não é possível fazer prognósticos genéricos, mas é possível prever que as pessoas que dependem de prognósticos estão correndo mais riscos, enfrentarão alguns problemas e talvez acabem indo à falência. Por quê? O indivíduo que faz previsões será frágil aos erros de prognóstico. Um piloto excessivamente confiante mais cedo ou mais tarde derrubará o avião. E as previsões numéricas levam as pessoas a se expor a mais riscos. 

Tony Gordo é antifrágil porque cria uma imagem espelhada de sua frágil empresa. O modelo de Tony Gordo é extremamente simples. Ele identifica fragilidades, faz uma aposta no colapso da unidade frágil, instrui Nero e troca insultos com ele sobre temas socioculturais, reage às alfinetadas de Nero sobre o estilo de vida de Nova Jersey e fatura uma bolada após o colapso. Depois ele almoça. 

Entra em cena a filosofia. Como Sêneca gostava de tomada de decisões práticas, ele é descrito – pelos acadêmicos – como um pensador não suficientemente teórico ou filosófico. Contudo, nenhum dos comentaristas de Sêneca detectou suas ideias sobre assimetria, que são essenciais para este livro, e para a vida, a chave para a robustez e a antifragilidade. Nenhum. Meu argumento é que, na tomada de decisões, a sabedoria é tremendamente mais importante – não apenas em termos práticos, mas filosóficos – do que o conhecimento.  

Vamos começar com o seguinte conflito. Apresentamos Sêneca como a pessoa mais rica do Império Romano. Sua fortuna era de 300 milhões de denários (para se ter uma noção do montante dessa fortuna, mais ou menos no mesmo período histórico, Judas recebeu trinta denários, o equivalente a um mês de salário, para trair Jesus). Para ser justo, é claro que não é muito convincente ler discursos difamatórios contra a riqueza material feitos por um sujeito que escrevia textos em uma de suas várias centenas de mesas (com pernas de marfim). 

O que aprendemos lendo Sêneca, diretamente e não por intermédio de seus comentadores, é uma história diferente. A versão de Sêneca do estoicismo é a antifragilidade com relação ao destino. Nenhuma desvantagem ocasionada pela sra. Fortuna, apenas uma profusão de vantagens.  

Visto dessa maneira, o estoicismo gira em torno da domesticação de emoções, mas não necessariamente tem a ver com a eliminação delas. Não se trata de transformar os seres humanos em vegetais. A minha ideia do sábio estóico moderno é alguém que transforma medo em prudência, dor em informação, erros em iniciação e desejo em realização. 

Livro IV – Opcionalidade, tecnologia e a inteligência da antifragilidade 

O Livro IV apresenta a misteriosa qualidade inerente do mundo, segundo a qual há certa assimetria por trás das coisas, em vez da “inteligência” humana, e como a opcionalidade nos trouxe até aqui. Isso se opõe ao que chamo de método soviético de Harvard. E Tony Gordo debate com Sócrates sobre como fazemos coisas que ninguém consegue explicar direito. 

Tarde de sábado em Londres. Estou às voltas com uma considerável fonte de estresse: decidir para onde ir à noite. Gosto muito do tipo de inesperado que se encontra em festas (ir a festas tem opcionalidade, talvez o melhor conselho para alguém que queira beneficiar-se com a incerteza com baixo nível de desvantagens). Meu medo de comer sozinho em um restaurante enquanto releio o mesmo trecho de Discussões tusculanas, de Cícero, que, graças a seu formato de bolso, venho carregando comigo há uma década (e do qual leio mais ou menos três páginas e meia por ano), foi amenizado por telefonema. Alguém, que não é um amigo íntimo, ao ficar sabendo que eu estava na cidade, convidou-me para uma reunião social em Kensington, mas, sabe-se lá como, não me exigiu nenhum comprometimento, com um mero “apareça lá se quiser”. Ir à festa é melhor do que comer sozinho com as Discussões tusculanas de Cícero, mas essas pessoas não são muito interessantes (muitas estão envolvidas na City of London, e funcionários de instituições financeiras raramente são interessantes e, mais raramente ainda, agradáveis), e sei que posso arranjar algo melhor para fazer, mas não tenho certeza se serei capaz disso. 

Opcionalidade e assimetria. Aprendi sobre a assimetria das opções na sala de aula da Wharton School, a Escola Superior de Administração da Universidade da Pensilvânia, no curso sobre opções financeiras, que determinou minha carreira, e logo percebi que o próprio professor não conseguia ver as implicações. Ele simplesmente não entendia as não linearidades e o fato de que a opcionalidade derivava de algum grau de assimetria. Dependência do domínio: ele não a identificava nos lugares em que o livro didático não apontava a assimetria; ele compreendia a opcionalidade em termos matemáticos, mas não fora da equação. Ele não pensava no erro do modelo como opção negativa. E, trinta anos depois, pouca coisa mudou na compreensão da assimetria por parte de muitos que, ironicamente, lecionam a disciplina de opções. 

Sinto um mal-estar ao ver a construção dessas enormes universidades financiadas por receitas governamentais oriundas do petróleo, sob o postulado de que as reserva petrolíferas podem ser transformadas em conhecimento contratando-se professores de universidade prestigiosas e matriculando as crianças na escola (ou, como é o caso, torcendo para que as crianças sintam o desejo de ir à escola, uma vez que muitos estudantes de Abu Dhabi são da Bulgária, Sérvia ou Macedônia e recebem educação gratuita). Melhor ainda, eles podem, com um único cheque, trazer uma escola inteira de algum país estrangeiro, como a Sorbonne e a Universidade de Nova York (entre muitas outras). Assim, em poucos anos, os membros dessa sociedade colherão os benefícios de um grande aprimoramento tecnológico.  

Sua riqueza veio do petróleo, e não de algum conhecimento prático vocacional, por isso tenho certeza de que seus gestos em educação são completamente estéreis, uma grande transferência de recursos (em vez da exploração da antifragilidade forçando seus cidadãos a ganhar dinheiro naturalmente, mediante as circunstâncias). 

Na lenda grega, havia dois irmãos titãs, Prometeu e Epimeteu. Prometeu significa “pré-pensador”, é o que pensa antes de agir, enquanto Epimeteu significa “pós-pensador”, é o que age antes de pensar, o equivalente a alguém que se deixa levar pela distorção retrospectiva de ajustar as teorias aos acontecimentos passados, numa forma narrativa posterior ao fato. Prometeu nos deu o fogo e representa o progresso da civilização, ao passo que Epimeteu representa o pensamento retrógrado, a estagnação e a falta de inteligência. Foi Epimeteu quem aceitou o presente de Pandora, a grande caixa, com consequências irreversíveis. 

A opcionalidade é prometeica, as narrativas são epimeteicas, uma tem erros reversíveis e benignos, as outras simbolizam a gravidade e a irreversibilidade das consequência da abertura da caixa de Pandora. 

Fazemos incursões no futuro por meio do oportunismo e da opcionalidade. Até agora, no Livro IV, vimos o poder da opcionalidade como uma alternativa de fazer as coisas, de modo oportunista, com alta margem competitiva oriunda da assimetria, com grandes benefícios e prejuízos benignos. É uma maneira – a única – de domesticar a incerteza, de trabalhar racionalmente sem compreender o futuro, enquanto a dependência de narrativas é exatamente o oposto: domesticada pela incerteza, a pessoa ironicamente regride. Não é possível olhar para o futuro por meio da projeção ingênua do passado. 

Livro V – O não linear e o não linear (sic) 

O Livro V trata da pedra filosofal e seu oposto: como transformar chumbo em ouro e ouro em chumbo. Dois capítulos constituem a seção técnica principal – o encanamento do livro -, mapeando a fragilidade (como não linearidade e, mais especificamente, efeitos de convexidade) e mostrando a margem de superioridade que surge a partir de certo tipo de estratégias convexas. 

A primeira Guerra Mundial estava prevista para durar apenas alguns meses; quando o conflito chegou ao fim, França e Inglaterra estavam afundadas em dívidas (ambos os países gastaram pelo menos dez vezes mais do que previram que seria o custo financeiro), além de todos os horrores, sofrimentos e destruição. O mesmo, é claro, aconteceu com a Segunda Guerra, que elevou vertiginosamente a dívida do Reino Unido, principalmente nas obrigações contraídas com os Estados Unidos. 

Entretanto, as guerras – com erros multiplicados em mais de vinte vezes – são apenas ilustrativas como os governos subestimam as não linearidades explosivas (efeitos de convexidade) e o motivo de não ser aconselhável confiar neles em matéria de finanças ou de quaisquer decisões de grande escala. Com efeito, os governos não precisam de guerras para nos colocar em apuros com déficits: a subestimação de custos de seus projetos é crônica, pela mesma razão que 98% dos projetos contemporâneos apresentam estouros nas contas. Os governos simplesmente acabam gastando mais do que nos dizem. Isso me levou a instituir uma regra de ouro para os governos: proibição total de empréstimos, equilíbrio fiscal forçado. 

Note que a globalização teve o efeito de tornar planetário o contágio – como se o mundo inteiro tivesse se transformado em uma enorme sala com saídas estreitas e pessoas precipitando-se para as mesmas portas, com danos acelerados. Assim como praticamente todas as crianças leem Harry Potter e têm conta (por enquanto) no Facebook, quando as pessoas ficam ricas elas começam a exercer as mesmas atividades e a comprar os mesmos itens. Bebem vinho Cabernet, planejam conhecer Veneza e Florença, sonham em comprar uma segunda casa no sul da França e os locais turísticos estão se tornando insuportáveis: tente ir a Veneza nas próximas férias de julho.  

Tão logo descobri que a fragilidade resultava diretamente da não linearidade e dos efeitos da convexidade, e que a convexidade era mensurável, fiquei empolgadíssimo. A técnica – detectar o acelerado e progressivo acúmulo do dano – aplica-se a qualquer coisa que implique a tomada de decisões sob a incerteza e a gestão de riscos. Embora fosse mais interessante na medicina e na tecnologia, a demanda imediata estava na economia. Então, sugeri ao Fundo Monetário Internacional (FMI) que substituísse por uma medida de fragilidade as suas medidas de risco, que eles sabiam muito bem que não funcionavam. A maior parte das pessoas que atuam no negócio de riscos tinha se frustrado com o péssimo (ou melhor, aleatório) desempenho de seus modelos, mas elas não eram fãs de minha postura anterior: “Não usem modelo algum”. Eles queriam alguma coisa. E havia uma medida de risco aí. 

Pedra filosofal: nova versão. Grande parte do pensamento medieval empenhou-se em encontrar a pedra filosofal. É sempre bom lembrar que a química é filha da alquimia, boa parte da qual consistia em analisar os poderes químicos das substâncias. Os principais esforços giravam em torno de criar valor por meio de transformação de metais em ouro, pelo método da transmutação. A substância necessária era chamada de pedra filosofal – lapis philosophorum. Muita gente acreditou nisso, uma lista que inclui estudiosos como Alberto Magno, Isaac Newton e Roger Bacon, além de grandes pensadores que não eram exatamente estudiosos eruditos, caso de Paracelso. 

Não é de pouca monta o fato de que a transmutação tenha sido chamada de Magnus Opus, a grande obra (a maior e melhor de todas). Realmente acredito que a operação que discutirei – tomando por base algumas propriedades de opcionalidade – é o mais próximo possível que conseguimos chegar da pedra filosofal. 

O apontamento a seguir nos permitiria compreender: 

  1. A gravidade do problema da fusão (confundir o preço do petróleo com geopolítica, ou confundir uma aposta lucrativa com uma boa previsão – e não a convexidade  das compensações e da opcionalidade). 
  2. Porque qualquer coisa com opcionalidade tem uma vantagem a longo prazo – e como medi-la. 
  3. Uma sutil propriedade adicional de desigualdade de Jensen. 

Lembre-se do nosso exemplo do tráfego no Capítulo 18 – 90 mil carros em uma hora, e, então, na hora seguinte, 110 mil carros, em uma média de 100 mil veículos, resultando num trânsito medonho. Por outro lado, supondo que tenhamos 100 mil carros durante duas horas, o fluxo de carros será tranquilo, e o tempo de tráfego, breve. 

O número de carros é a coisa, uma variável, o tempo de tráfego, a função da coisa. O comportamento da função é tal que, como dissemos, “não é a mesma coisa”. Podemos ver aqui que a função da coisa se torna diferente da coisa sob não linearidades. 

Livro VI – Via negativa 

O Livro VI mostra a sabedoria e a eficácia da subtração sobre a adição (atos de comissão sobre atos de comissão). Essa seção introduz a noção de efeitos de convexidade. Por motivos óbvios, a primeira aplicação é na medicina. Analiso a medicina apenas de um enfoque epistemológico, de gerenciamento de riscos – perspectiva da qual ela parece diferente.  

“O tempo tem dentes afiados que destroem tudo”, declamou o poeta do século VI (a. C.) Simônides de Ceos, iniciando talvez uma tradição na literatura ocidental sobre o efeito inexorável do tempo. Posso apresentar uma miríade de expressões clássicas elegantes, de Ovídio (tempus edax rerum – o tempo devora tudo) à não menos poética Elsa Triolet, poeta franco-russa do século XX (“o tempo arde, mas não deixa cinzas”). Esse exercício desencadeou certo furor poético, por isso estou agora cantarolando um poema francês musicado, “Avec le temps”, que versa sobre como o tempo apaga as coisas, até mesmo as lembranças ruins (embora não mencione que, durante o processo, apaga também a nós mesmos). Agora, graças aos efeitos da convexidade, podemos salpicar aí um pouco de ciência, e produzir nossa própria taxonomia do que deveria ser devorado com mais rapidez pelo tempo inexorável. O frágil, mais dia, menos dia, acabará se quebrando e, felizmente, somos capazes de identificar o que é frágil. No fim das contas, até mesmo aquilo que acreditamos ser antifrágil se despedaçará, mas deve demorar muito, muito mais tempo para se romper (o vinho fica melhor com o tempo, mas só até certo ponto – não se você colocá-lo na cratera de um vulcão). 

A nova cultura da tecnologia. Uma palavra sobre a cegueira a esse excesso de tecnologização. Depois que saí do mercado financeiro, comecei a participar de algumas convenções concorridas, frequentadas por pessoas do ramo de tecnologia – pré-ricas e pós-ricas – e pela nova categoria de intelectuais da tecnologia. De início, me entusiasmei por ver que essas pessoas não usavam gravatas, pois tendo vivido em meio a abomináveis banqueiros engravatados, eu havia desenvolvido a ilusão de que qualquer pessoa que não usava gravata não era um zero à esquerda metido a besta. Mas essas convenções, embora coloridas e chamativas no uso de imagens computadorizadas e animações mirabolantes, pareceram-me deprimentes. Eu sabia que não pertencia àquele mundo. Não apenas por causa de seu enfoque aditivo em relação ao futuro (a incapacidade de subtrair o frágil, em vez de fazer acréscimos ao destino). Não era inteiramente sua cegueira, causada por uma neomania inflexível. Demorei algum tempo para perceber a razão: uma profunda falta de elegância. Os tecnopensadores tendem a ser uma “mente engenhosa” – para usar termos menos educados, têm tendências autistas. E costumam compartilhar uma ausência de cultura literária. 

Essa ausência de cultura literária é, na verdade, um marcador de cegueira futura, porque geralmente vem acompanhada de uma depreciação da história, um subproduto da neomania incondicional. Fora de seu nicho e do gênero isolado da ficção científica, a literatura diz respeito ao passado. Não aprendemos física nem biologia nos livros medievais, mas ainda lemos Homero, Platão ou o moderníssimo Shakespeare. Não podemos falar sobre escultura sem ter conhecimento das obras de Fídias, Michelangelo ou do formidável Canova. Elas estão no passado, não no futuro. 

Outro viés mental que provoca a exagerada badalação da tecnologia vem do fato de que percebemos a mudança, não o que é estático. O exemplo clássico, descoberto pelos psicólogos Daniel Kahneman e Amos Tversky, aplica-se à riqueza (a dupla desenvolveu a ideia de que nosso cérebro gosta do esforço mínimo e, dessa forma, fica aprisionado; Kahneman e Tversky foram precursores da tradição de catalogar e identificar vieses humanos no que diz respeito à percepção de resultados aleatórios e à tomada de decisões em condições de incerteza). Se dissermos a alguém: “Você perdeu 10 mil dólares”, a pessoa ficará muito mais chateada do que se falarmos: “O valor do seu portfólio de investimentos, que era de 785 mil dólares, agora é de 775 mil”. Nosso cérebro tem uma predileção por atalhos, e a variação é mais fácil de notar (e de guardar) do que o registro integral. Isso requer menos espaço de armazenamento de memória. Essa heurística psicológica (que muitas vezes opera sem que tenhamos consciência dela), o erro de variação no lugar do montante real, é bastante difundida, mesmo com questões que são visuais. 

Poucas vantagens, grandes danos. Para outro exemplo homicida desse racionalismo otário (e fragilizador), pense na história da talidomida. Era um remédio utilizado por mulheres grávidas, a fim de reduzir os episódios de enjoo, mas causava defeitos congênitos. Outro medicamento, o dietilestilbestrol, prejudicava sorrateiramente o feto e causava câncer ginecológico de diagnóstico tardio nas filhas. 

Esses dois erros são bastante esclarecedores porque, em ambos os casos, os benefícios pareciam ser óbvios e imediatos, ainda que pequenos, e os danos demoraram a se manifestar, ocultos por muito tempo, pelo menos por três quartos de uma geração.

Agora podemos enxergar o padrão: a iatrogenia, sendo uma situação de custo-benefício, geralmente resulta da traiçoeira condição e que os benefícios são pequenos, e visíveis – e os custos, muito grandes, protelados e ocultos. E, é claro, os custos potenciais são muito piores do que os ganhos cumulativos. 

Livro VII – A ética da fragilidade e da antifragilidade 

O Livro VII estabelece a ética nas transferências de fragilidade com uma parte recebendo os benefícios e a outra arcando com os prejuízos, e aponta problemas oriundos da ausência do fator “arriscar a própria pele”.  

Tony Gordo tem duas heurísticas. 

A primeira: nunca embarque em avião se o piloto não estiver a bordo. 

A segunda; certifique-se de que também há um copiloto. 

A primeira heurística diz respeito à assimetria entre recompensas e punições, ou a transferência de fragilidade entre indivíduos. Ralph Nader tem uma regra simples: as pessoas que votam a favor da guerra precisam ter, pelo menos, um descendente (filho ou neto) exposto ao combate. Para os romanos, os engenheiros precisavam passar algum tempo debaixo da ponte que construíam – algo que deveria ser exigido dos engenheiros financeiros de hoje. Os ingleses iam mais longe, obrigando as famílias dos engenheiros a viver por algum tempo com eles sob a ponte, depois de concluídas as obras de construção. 

Para mim todo formador de opinião precisa “arriscar a própria pele”, para o caso de haver danos causados pela confiança que se deposita em sua informação ou opinião (de modo que, por exemplo, as pessoas que ajudaram a concretizar a criminosa invasão do Iraque não saiam completamente incólumes). Além disso, qualquer um que faça uma previsão ou uma análise econômica precisa ter algo a perder com isso, pois as outras pessoas confiam nessas previsões (repetindo, as previsões induzem a exposição a riscos; são mais tóxicas para nós do que qualquer outra forma de poluição humana). 

As feridas da crise. Lembre-se da detecção de fragilidade no Capítulo 19 e da minha obsessão pela Fannie Mae. Por sorte, arrisquei um pouco da minha própria pele em nome de minhas opiniões, ainda que exposto a uma campanha difamatória. E, em 2008, a Fannie Mae foi previsivelmente à falência, custando aos contribuintes norte-americanos centenas de bilhões de dólares (e a conta ainda não fechou) – de modo geral, o sistema financeiro, com riscos similares, explodiu. O sistema bancário inteiro passou por exposições semelhantes. 

Todavia, mais ou menos no mesmo período, Joseph Stiglitz, com dois colegas, os irmãos Orszag (Peter e Jonathan), analisou a mesma Fannie Mae. Em seu relatório, eles avaliaram que, “com base na experiência histórica, o risco para o governo de uma potencial inadimplência da dívida das agências de financiamento hipotecário patrocinadas pelo governo (as GSES, na sigla em inglês), é, efetivamente, zero”. Em teoria, eles realizaram simulações – mas não deixaram passar o óbvio. Disseram também ter concluído acerca da probabilidade de inadimplência que “de tão pequena, é difícil de detectar”. São declarações como estas e, para mim, apenas declarações como estas (a arrogância intelectual e a ilusão de compreensão de eventos raros) que causaram o acúmulo dessas exposições a eventos raros na economia. Esse é o problema Cisne Negro, contra o qual eu estava lutando. Isso é Fukushima. 

Conclusão 

Todas as coisas ganham ou perdem com a volatilidade. Fragilidade é aquilo que perde com a volatilidade e a incerteza. 

No romance A peste, de Albert Camus, um personagem passa parte da vida à procura da frase perfeita para começar um romance. Assim que encontra essa frase, ele descreve o livro inteiro como uma derivação da abertura. Mas o leitor, para compreender e apreciar a primeira frase, terá de ler o livro na íntegra. 

Olhei de relance para o manuscrito com uma sensação de calma euforia. Cada frase do livro foi uma derivação, uma aplicação ou uma interpretação da breve máxima. Alguns detalhes e ampliações podem ser contraintuitivos e minuciosos, particularmente no que diz respeito à tomada de decisões sob a opacidade, mas, no fim, tudo flui a partir dela. 

O leitor é convidado a fazer o mesmo. Olhe a seu redor, para a sua vida, para os objetos, para os relacionamentos, para as empresas e instituições. Em prol da clareza, você pode substituir a volatilidade por outros do aglomerado da desordem aqui e ali, mas isso nem sequer é necessário – quando formalmente expresso, tudo é o mesmo símbolo. Tempo é volatilidade. A educação, no sentido de formação de caráter, de personalidade e de aquisição de conhecimento verdadeiro, gosta de desordem; a educação e os educadores norteados por rótulos abominam a desordem. Algumas coisas se quebram por causa do erro, outras não. Algumas teorias se esfacelam, outras não. A inovação é, precisamente, algo que ganha com a incerteza: e algumas pessoas ficam paradas de braços cruzados à espera da incerteza e usam a incerteza como matéria-prima, exatamente como fizeram nossos ancestrais caçadores.  

Ficha técnica: 

Título: Antifrágil – Coisas que se beneficiam com o caos 

Título original: Antifragile: Things that Gain from Chaos 

Autor: Nassim Nicholas Taleb 

Primeira edição: Objetiva 

Resenha: Rogério H. Jönck