Confiança e empatia: os princípios da alta performance

Confiança e empatia: os princípios da alta performance

Rita Pellegrino, da BRF, aponta seis diretrizes para construir uma relação de engajamento e produtividade no ambiente corporativo

Publicado em 15 de setembro de 2020

Autonomia, accountability e transparência ditam o caminho para times mais engajados e resultados mais expressivos nesta virada dos processos de trabalho. No home office, monitoramento abre espaço para confiança e os gestores de liderança têm papel fundamental, principalmente para exercitar a empatia e avançar rumo à alta performance. 

Para Rita Pellegrino, Diretora de Gente Mercado Brasil da BRF, produtividade passa necessariamente pela compreensão de que os times são interdependentes. “Uma cadeia longa e complexa tem que respeitar a premissa da interdependência. Esta confiança favorece a cultura de alta performance”, comenta a liderança da BRF. 

Aprendizado e treinamento também merecem atenção especial em tempos de trabalho remoto. Para serem mais eficientes precisam ser mais democráticos. Rita Pellegrino conta que a BRF, que globalmente colocou 10 mil funcionários em home office, ampliou sua plataforma de aprendizagem, trazendo mais parceiros para perto e conteúdo mais assertivo. “A curadoria tem que ser bottom-up para engajar. Não precisamos de alguém numa central, numa torre para fazer as escolhas”. 

Neste debate com o Experience Club, Rita destaca Seis diretrizes que auxiliam na alta performance dos colaboradores

[Assista ao vídeo e mergulhe no assunto]: 

1 Valorize o tempo  

“Aprendemos a fazer reuniões mais curtas e produtivas, a utilizar melhor as ferramentas virtuais e conseguimos desmistificar a antipatia ou a desconfiança em relação ao home office, com equipes eficientes em um modelo que veio para ficar”. 

2- Abrace o inesperado  

“Problemas inesperados aparecem no home office, mas é preciso fazer concessões e entender que não tem receita para dar certo. O que temos feito é uma troca muito grande de experiências. Há muita colaboração porque todo mundo se viu em uma situação incomum do dia para a noite”. 

3- Repense as estruturas  

“Quando estivermos em condições normais de temperatura e pressão, com um tempo mais livre, agendas mais curtas e resolvendo problemas de maneira mais ágil, a grande lição é poder repensar o tamanho dos nossos escritórios” 

4- Seja accountable  

“A base da equipe de alta performance é a confiança e a autonomia. Se a empresa começa a rastrear o funcionário para ver quanto tempo ele fica online, já muda a perspectiva, quebra a regra básica de acreditar que a outra pessoa vai ser accountable”. 

5- Ofereça conteúdo assertivo  

“Devemos oferecer conteúdos mais assertivos, que podem ser cumpridos em tempo menor e com uma curadoria bottom-up, que engaja muito mais. Não precisamos de alguém numa central, numa torre, para fazer uma curadoria forçada”. 

6- Exercite a empatia  

“É papel da liderança exercitar a empatia. Às vezes, estamos em uma situação confortável, mas não sabemos como o outro está, se está cuidando de alguém doente ou pronto para uma reunião. Nunca precisamos exercer tanto a empatia quanto agora, em um ambiente 100% virtual”.

Texto: Andrea Martins 

Imagens: Reprodução