Porque o novo CEO precisa irradiar paixão pelo propósito

Porque o novo CEO precisa irradiar paixão pelo propósito

Planos e metas fazem parte do jogo, mas o engajamento é a moeda de troca que vai inspirar os colaboradores para que eles se capacitem cada vez mais

Publicado em 15 de setembro de 2020

Por Ricardo Natale, CEO do Experience Club

As pessoas não precisam concordar sempre com o CEO, mas a única coisa que nunca pode entrar em discussão é a paixão do CEO pelo propósito e pela companhia. Essa paixão do CEO deve ser vista e sentida por toda a empresa. E nunca posta em dúvida.

As pessoas deixaram de seguir líderes por conta de seus planos de ações ou pelos desafios. Planejar e executar faz parte do ritual processual do negócio, mas o que move mesmo os colaboradores de uma empresa é essa força gravitacional que impulsiona todos em busca da mesma visão. Qual é o meu propósito dentro dessa organização e o como esse líder contribui para que eu seja um profissional – e um ser humano – cada vez melhor?

Eis que entra em cena o grande desafio. Como selecionar pessoas que vão estar engajadas nessa paixão pelo propósito? Com o curriculum se tornando coisa do passado, o novo líder deve ter a sensibilidade para captar o jeito de pensar, como vai se relacionar com os outros, como vai usar a criatividade para resolver problemas. Gerenciar conflitos do seu time e fazer dessa diversidade de pensamento a força criativa do negócio.

Já ouvi um grande líder dizer que ele sempre faz a mesma pergunta aos candidatos: quantos quarters de metas batidas é preciso para chegar ao C-level? A resposta, segundo ele, pouco importa. Na verdade, ele quer ver como o candidato aguenta a pergunta. Ele me contou que a maioria das pessoas acaba questionando a pergunta. E quem questiona acaba não sendo contratado.

Foto: Matheus Lins / trintadezessete.com.br
Foto: Matheus Lins / trintadezessete.com.br

Engajamento, interatividade e empatia valem muito mais que qualquer conquista descrita no curriculum. E o CEO deve assumir, de uma vez por todas, o papel de melhor vendedor e dominar de ponta a ponta o storytelling da sua companhia. Isso só acontece quando o CEO irradia paixão e o seu compromisso irrestrito se reflete por toda a empresa.

Quando o CEO coloca emoção na mensagem, ele faz os outros considerarem que podem, também, se tornar mais determinados, mais preparados, mais confiantes e mais poderosos. Um efeito multiplicador capaz de contagiar toda a organização.

Mas por que a emoção se tornou tão relevante para os negócios? Porque aquilo que chega ao coração fica guardado para sempre na memória e se torna referência para enfrentar os novos desafios que virão no futuro.

Agora me fale, qual CEO você quer ser? Técnico ou apaixonado?