Os robôs vão roubar seu trabalho, mas tudo bem.

Os robôs vão roubar seu trabalho, mas tudo bem.

Como sobreviver ao colapso econômico e ser feliz, por Federico Pistono

Publicado em 4 de dezembro de 2020

Ideias centrais:

1 – Jeremy Rifkin (1995): “Enquanto uma pequena elite de executivos e gerentes desfruta dos benefícios da economia mundial de alta tecnologia, a classe média americana continua a encolher e o local de trabalho se torna cada vez mais estressante”.

2 – Nos últimos vinte anos, desenvolvemos e aperfeiçoamos vários algoritmos matemáticos que podem aprender através da experiência, assim como nós. O princípio é muito simples: treinar um programa para aprender, sem programá-lo explicitamente.

3 – A conscientização sobre a fraude consumista nos ajuda a mudar o rumo de vida para estado  mais positivo e genuíno de bem-estar, que se baseie na empatia, na colaboração, na emoção da descoberta e no impulso de fazer coisa mais significativa.

4 – Em vez de tornar os professores obsoletos, a Khan Academy os ajuda a se tornarem melhores, reservando mais espaço para a interação individual com os estudantes. Os alunos podem aprender em casa e depois ter tempo produtivo na escola, fazendo trabalhos juntos.

5 – Os dados experimentais mostram que as pessoas que se exercitam são mais felizes do que as sedentárias. Você não precisa fazer cursos caros ou praticar esportes radicais. Comece com algo simples, como corridas curtas.

Sobre o autor:

Federico Pistono é italiano e nasceu em 1985. Escritor, empreendedor, pesquisador e palestrante, formou-se em ciências de computação pela Universidade de Verona e fez pós-graduação na Singularity University. Presta consultoria a órgãos governamentais e empresas listadas na Fortune 500.

Introdução

Segundo pensadores, cientistas e acadêmicos, a substituição do homem por máquinas aumentará imensamente nas próximas décadas. As mudanças serão tão drásticas e rápidas que o mercado será incapaz de criar novas oportunidades  para aqueles que perderam seu trabalho, fazendo com que o desemprego não seja apenas parte de um ciclo, mas estrutural e cronicamente irreversível. Será o fim do trabalho como o conhecemos.

A maioria dos economistas desconsidera esses argumentos. Muitos nem abordam a questão. E os que tratam dela afirmam que o mercado sempre encontra uma saída. À medida que as máquinas substituem homens, novas funções são criadas. Graças à engenhosidade da mente humana e á necessidade de crescimento, sempre se encontra um caminho, sobretudo no mercado de massa constantemente conectado e globalizado em que vivemos hoje.

Neste livro se evitará escolher qualquer lado com base em crença, intuição ou palpite. Em vez disso procurar-se-á  desenvolver um raciocínio lógico, fundamentado, com base nas evidências que temos até agora.

Ele se divide em três partes. Primeiro, trataremos do tema do desemprego tecnológico e de seu impacto no trabalho e na sociedade. A pesquisa se centra na economia americana, mas o mesmo argumento se aplica á maior parte do mundo industrializado. Na segunda parte, é examinada a natureza do trabalho e sua relação com a felicidade. A última parte é uma tentativa ousada  de oferecer algumas sugestões práticas sobre como lidar com as questões apresentadas nas duas primeiras.

Parte I

Automação e emprego

Capítulo 1 – Desemprego hoje

Em julho de 2011, o governo  americano divulgou um relatório que mostra que 117 mil novos empregos foram criados naquele mês, e o New York Times publicou uma manchete promissora: “Estados Unidos têm crescimento sólido e mais forte em julho”. Mas uma verdade desagradável se escondia por trás desse véu de falsa esperança. Os 117 mil novos postos de trabalho não compensavam o crescimento populacional (de cerca de 130 mil pessoas por mês) ou os 12,3 milhões de empregos perdidos durante a recessão de 2008-9. Continuando a ler o artigo, descobrimos mais algumas coisas. A taxa oficial de desemprego era de 9,1%, o que já parece assombroso, mas fica ainda mais preocupante quando se considera que 8,4 milhões de pessoas estavam trabalhando em regime de meio período porque não conseguiam um emprego integral e 1,1 milhão estavam tão desanimadas que simplesmente deixaram de procurar trabalho.  Incluindo essas pessoas, a taxa de desemprego era de 16,1% em julho de 2011.

Capítulo 2 – Tecnologia da informação e emprego. Em 1995, Jeremy Rifkin publicou O fim dos empregos: O contínuo crescimento de desemprego em todo o mundo, obra em que previa que o desemprego mundial aumentaria à medida que a tecnologia da informação eliminasse dezenas de milhões de empregos nos setores de manufatura, agricultura e serviços. Ele delineou o impacto devastador da automação sobre operários e comerciários: “Enquanto uma pequena elite de executivos e gerentes desfruta dos benefícios da economia mundial de alta tecnologia, a classe média americana continua a encolher e o local de trabalho se torna cada vez mais estressante”. Embora ele possa ter errado em alguns detalhes, o esboço geral é tão preciso que parece quase profético. Nos últimos vinte anos, assistimos ao desaparecimento gradual da classe média americana, com custos crescentes e rendimentos mais baixos, enquanto os americanos mais ricos acumularam mais riqueza do que nunca na história.

Capítulo 3 – Crescimento exponencial

A função exponencial é usada para descrever o tamanho de qualquer coisa que cresce de forma constante ao longo do tempo. Por exemplo, suponha que você precisa comprar uma casa e o banco lhe concede um empréstimo de 7% ao ano. Isso significa  que, a cada ano que passa, a quantidade de dinheiro que você tem de devolver cresce 7%. No primeiro ano, ela aumenta pouco (fazendo a dívida crescer para um total de 7% do principal), mas no segundo ano ela cresce 7% de 107%. No ano seguinte, cresce ainda mais, e assim por diante. Você é cada de calcular qual será o montante em vinte anos?

Cálculo exponencial. Se quiser saber quanto tempo vai demorar para duplicar qualquer quantidade que cresce a uma taxa fixa, divida 70 pelo número da taxa de crescimento. O resultado é o tempo de duplicação. Voltemos ao nosso exemplo. O crescimento foi de 7% ao ano. Não parece grande coisa, não é? Agora, pegue 70 e divida por sete, o que dá 10. Ou seja, significa que a cada dez anos mais ou menos a quantia de dinheiro que devemos ao banco vai dobrar.

Agora, vamos explorar o efeito dessa duplicação ao longo do tempo. Suponha que tomamos emprestados do banco 100 mil, a juros de 7% ao ano. Em apenas dez anos deveremos 200 mil, o dobro. Mas em vinte anos? Não serão 300 mil, mas 400 mil, que é o dobro da quantia anterior de 200 mil que já era o dobro da inicial).

Esses exemplos de cálculo têm o objetivo de melhor compreender o crescimento exponencial que bomba nas tecnologias digitais, como a seguir.

Capítulo 4 – Tecnologia da informação

Quando Gordon E. Moore, o fundador da Intel Corporation, o maior fabricante de chips de semicondutores do mundo, descreve essa tendência em seu famoso artigo de 1965, o público se mostrou cético. Ele notou que o número de componentes e circuitos integrados dobraria a cada ano desde a sua invenção, em 1958, até 1965, e previu que essa tendência continuaria por “pelo menos dez anos”. Na verdade, esse número vem dobrando há mais de cinquenta anos, sem nenhum sinal de que vai parar. Mas a lei de Moore não é tudo. A expansão exponencial da tecnologia tem se dado sem percalços por um tempo muito mais longo, e os circuitos integrados são apenas uma pequena fração de todo o espectro de mudança que permeia o avanço tecnológico.

A velocidade do computador (por custo unitário) dobrou a cada dois anos entre1950 e 1950, depois dobrou a cada dois anos entre 1950 e 1966, e agora está dobrando a cada ano. A potência computacional não está simplesmente aumentando: está aumentando cada vez mais rápido a cada ano.

De acordo com os dados disponíveis, podemos inferir que essa tendência continuará no futuro próximo, ou pelo menos por mais trinta anos. Em algum momento, atingirá limites físicos impostos pelas leis da natureza, e esse ritmo terá de diminuir. Alguns sugerem que podemos ser capazes de contornar esse problema, uma vez alcançada a singularidade.

Capítulo 5 – A singularidade tecnológica se refere ao momento em que a velocidade da mudança tecnológica é tão rápida que não somos capazes de prever o que vai acontecer. Nesse momento, a inteligência do computador excederá a do ser humano, e nós nem sequer seremos capazes de  entender as mudanças que estão acontecendo. O termo foi cunhado pelo escritor Vernon Vinge e posteriormente popularizado por muitos autores, em especial Ray Kurzweil em seus livros A era das máquinas espirituais e The Singularity is  Near.

Capítulo 6 – Inteligência artificial

Planejamento e programação automatizados, aprendizado com máquinas, processamento de linguagem natural, percepção mecânica, visão computacional, reconhecimento de fala, computação afetiva e criatividade ocupacional são todos campos da inteligência artificial que não precisam lidar com os problemas complexos que o robótica enfrenta. É muito mais fácil aperfeiçoar um algoritmo do que um robô. Um título mais exato para este livro teria sido Inteligência mecânica e algoritmos computacionais já estão roubando seu emprego e farão isso cada vez mais, embora não tão cativante.

Aplicações de IA. Desdobramentos recentes no campo da inteligência artificial (IA), especificamente aplicações de aprendizagem mecânica, começaram a mudar isso. Nos últimos vinte anos, desenvolvemos  e aperfeiçoamos vários algoritmos matemáticos que podem aprender através da experiência, assim como nós. O princípio por trás deles é bastante simples: treinar um programa de computador para aprender, sem programá-lo explicitamente. Como funciona? Existem vários métodos para conseguir isso: aprendizagem supervisionada e não supervisionada, aprendizado de reforço, transdução, com diversas variações e combinações. Cada um desses métodos aplica algoritmos específicos – talvez alguns que você conheça (por exemplo redes neurais), mas a maioria provavelmente soa muito obscura (por exemplo, máquinas de vetores de suporte, regressão linear, Naïves Bayes). Você não precisa saber as especificidades, mas a ideia principal é a seguinte: assim como aprendemos através da experiência, o mesmo acontece com esses programas. Eles evoluíram.

Capítulo 7 – Evidências de automatização 

Existem cerca de 8,6 milhões de máquinas de venda automática no Japão, uma para cada catorze pessoas, a maior quantidade per capita do mundo. Esses robôs, conhecidos por lá como Jid-hanbaiki – de jid, “automático”, hanbai, “venda”, e ki, “máquina”, mas muitas vezes abreviado para jihanki -, são muito difundidos e comumente usados para todos os tipos de mercadorias, não apenas jornais, lanches e bebidas, mas também livros, DVDs, preservativos, sorvetes, macarrão instantâneo, arroz, revistas, copos, ovos cozidos, guarda-chuvas, gravatas, tênis, legumes, iPods, lagostas vivas, água termal e até mesmo terços budistas.

Walmart e o emprego. Mesmo quando combinadas, as receitas de Chevron, General Electric e Pfizer continuam abaixo da receita Walmart. Para efeito de comparação, se o Walmart fosse um país, teria a 25ª economia do mundo (com o dobro do PIB da Irlanda). Se a empresa iniciasse uma estratégia de automação agressiva, em poucos anos poderia facilmente levar adiante seus negócios com menos de 100 mil funcionários, o que deixaria sem emprego 2 milhões de pessoas, a maioria trabalhadores sem instrução e sem qualificação. Para onde essas pessoas iriam? O que comeriam? O que aconteceria com suas famílias?

Capítulo 8 – A internet das coisas está chegando, e é melhor nos prepararmos para ela. A tecnologia está se tornando tão barata e tão potente que será integrada aos objetos cotidianos, o que vai nos ajudar a tomar decisões melhores. Com todos os objetos do mundo equipados com minúsculos dispositivos de identificação, a vida cotidiana na Terra sofreria transformação de proporções épicas. Empresas não ficariam sem estoque nem desperdiçariam produtos, já que as partes envolvidas saberiam quais produtos são necessários e consumidos.

Capítulo 9 – Desemprego amanhã

Em 2011, o desemprego foi de 9,6%, o segundo mais alto da história, perdendo apenas para os 9,7% de 1982. Uma estatística ainda mais interessante é o número de trabalhadores, em comparação com o número total de habitantes. Em 2000, os Estados Unidos tinham uma população de 281.421.000 de pessoas, com uma força produtiva de 136.691.000 de pessoas. Em 2010, a população tinha aumentado para 308.745.000, mas a força de trabalho era de apenas 139.064.000.

Capítulo 10 – Reciclar os professores. Há muito tempo a economia necessita de uma espécie diferente de pessoas, mas o processo de mudança é muito lento e difícil. Um dos motivos é que os próprios professores foram ensinados pela geração anterior. Testes, cursos e exames padronizados só podem resultar em mentes padronizadas. Os alunos não são incentivados a questionar o material didático ou o professor. Não são encorajados a trabalhar em grupo, a colaborar ou a encontrar soluções diferentes. Foram ensinados a pensar que há sempre uma solução, e uma única, que pode ser encontrada no fim do livro. Mas a não olhar, porque seria trapaça.

Semana de trabalho menor. As necessidades básicas da vida pouco mudaram. Não precisamos de cem vezes mais comida, água e habitação do que precisávamos há cinquenta anos. Poderíamos ter facilmente reduzido a semana de trabalho. Em vez disso, trabalhamos, em média, mais do que nunca. Isso é loucura; o propósito da tecnologia era liberar nosso tempo para que pudéssemos dedicá-lo a objetivos mais elevados. Em vez disso, os empregos se tornaram o objetivo.

Parte II Trabalho e felicidade

Capítulo 11 – Busca da felicidade  

Como vimos, há pesquisas sérias que mostram que as desigualdades sociais e econômicas são estruturais. Isso significa que, se você nasce pobre, é provável que continue pobre, mesmo se trabalhar como uma mula doze horas por dia. Da mesma forma, se nascer rico, é provável que continue rico.

Capítulo 12 – Sucesso e merecimento. O valor universal que está inexoravelmente enraizado em nossa mente é ser bem-sucedido. E por isso queremos dizer, naturalmente, bem colocados na arena financeira e social. E, se somos bem-sucedidos, deve ser porque merecemos. Quanto mais trabalhamos, mais ricos ficamos.

Há, sem dúvida, um grupo de pessoas que pertence a essa categoria; são gênios de negócios, inventores e inovadores que temos em alta estima e desejamos emular. São as mentes brilhantes que provocaram mudanças disruptivas, seja no design, na tecnologia, nos negócios, nas artes, na política, seja na sociedade. Mas há também outro grupo de pessoas que não fez por merecer sua posição, e ele pode ser significativamente maior do que você pensa.

Se trabalho duro significasse que todos podemos ser ricos, teríamos uma multidão de mulheres africanas milionárias.

Capítulo 13 – Crescimento e felicidade

Por mais de meio século, nossa cultura vem alimentando a ideia de que a busca do crescimento, do trabalho e da expansão econômica deve ser um de nossos principais objetivos  na vida, se não o mais elevado de todos. Mas essa suposição está sendo contestada e começa lentamente a desmoronar. O próprio livro que você está lendo agora não saiu do nada. É o resultado da influência da mudança na cultura que estamos vivenciando e que cresceu na última década. Desde o ano 2000, houve uma mudança constante de rota. Na literatura, há agora mais conversas sobre felicidade, enquanto o interesse pelo PIB e pelo crescimento econômico está deteriorando.

 Renda e felicidade. Richard Easterlin, economista e professor de economia da Universidade do Sul da Califórnia, discutiu os fatores que contribuíam para a felicidade em seu artigo fundamental “O crescimento econômico melhora a condição humana? Algumas provas empíricas”, de 1974. Ele descobriu que o nível médio declarado de felicidade não varia muito com a renda per capita, pelo menos em países com renda suficiente para atender às necessidades básicas. Do mesmo modo, embora a renda per capita tenha aumentado constantemente nos Estados Unidos entre 1946 e 1970, a felicidade média declarada não mostrou tendência de longo prazo e declinou entre 1950 e 1970. Na prática, depois que um país sai da pobreza, não há mais uma correlação forte entre renda e felicidade.

Capítulo 15 – Felicidade

As ferramentas de marketing utilizadas pelas empresas para vender mais produtos dependem de nossa incapacidade de diagnosticar adequadamente o que nos faz felizes. E assim continuamos a alimentar a máquina do consumo conspícuo, com a ilusão de que isso aliviará nosso sentimento de desconforto e de que gratificação instantânea pode criar felicidade verdadeira. Sabemos que isso não funciona e, mesmo assim, continuamos cometendo os mesmos erros sem parar.

Capítulo 16 – Mas há esperança. A conscientização sobre essa fraude pode nos ajudar a escapar da armadilha e mudar o rumo de nossa vida para um estado mais positivo, genuíno e verdadeiro de bem-estar, que se baseie na empatia,na colaboração, na emoção da descoberta e no impulso de fazer alguma coisa significativa.

Capítulo 17 – O objetivo da vida

A questão é que “preferimos inventar novos empregos, em vez de nos esforçar mais e inventar um novo sistema que não exija que todos tenham um emprego”. Neste livro, minha proposta é de que os robôs vão roubar seu trabalho, mas tudo bem. Vou dar um passo adiante. Direi que o objetivo da sua vida é ter robôs que roubem seu trabalho.

Certo, vamos falar sério – esse não é o objetivo da sua vida. Mas hoje considero essa uma condição necessária, ainda que não suficiente, para encontrar o objetivo de sua vida.

Outro notório preguiçoso e inútil afirmou que “o objetivo do futuro é o pleno desemprego, para que possamos brincar. É por isso, que temos de destruir o atual sistema político-econômico”.Eis uma declaração nada trivial, considerando que foi feita pelo lendário escritor e futurólogo Arhur C. Clark (autor de 2001: Uma odisseia no espaço e Encontro com Rama), o primeiro a conceber a ideia de usar satélites geoestacionários para telecomunicações (hoje chamamos a órbita geoestacionária de “órbita Clarke” ou “cinturão Clarke”  em sua homenagem).

Mas o que significa “brincar”? Clarke talvez estivesse parafraseando Confúcio: “Escolhe um trabalho que amas e jamais terás de trabalhar um dia em tua vida”.

Parte III Soluções

Capítulo 18 – Conselhos práticos para todos

Os gregos falavam de virtude (em latim virtus, em grego areté), uma espécie de excelência moral que valorizava o “ser moral bom e íntegro”, promovendo assim a grandeza individual e coletiva. Em sua obra Ética a Nicômaco, Aristóteles a definiu como um ponto de equilíbrio entre a deficiência e o excesso de um traço do caráter. O ponto da maior virtude não está simetricamente no meio, mas num meio termo áureo ou justo, às vezes mais perto de um extremo do que do outro. Por exemplo, a coragem é o meio termo entre covardia e temeridade; a confiança, entre autodesvalorização e a vaidade; e a generosidade, entre avareza e extravagância. Encontrar o meio justo requer senso comum, não necessariamente alta inteligência. Ser virtuoso geralmente é difícil no início, porém se torna mais fácil com a prática e eventualmente se torna um hábito.

Há uma ideia, inspirada em Aristóteles, que está lentamente penetrando em think tanks, grupos de ativistas e comunidades de todo o mundo. Em vez de ganhar cada vez mais dinheiro ou abandoná-lo por completo, deveríamos tentar encontrar o meio justo, mediante a redução da necessidade dele.

Aperfeiçoamento de professores. Em vez de tornar os professores obsoletos, a Khan Academy os ajuda a se tornarem melhores, reservando mais espaço para a interação individual com os estudantes. Os alunos podem aprender por conta própria, em casa, e depois ter mais tempo produtivo na escola, fazendo exercícios juntos, solidificando seus conhecimentos ou ensinando uns aos outros o que acabaram de aprender. Nas palavras de Salman Khan: “Este poderia ser o DNA para uma escola física onde os alunos passam 20% do dia assistindo a vídeos e fazendo exercícios em ritmo próprio e o resto do dia construindo robôs, pintando quadros, compondo música ou qualquer outra coisa”.

Capítulo 19 – Construindo o futuro

Se precisar de menos dinheiro, por que não trabalhar em meio período? Por que não mudar de emprego e fazer uma coisa de que gosta de verdade, mas não paga tanto quanto o outro emprego (que, por sua vez, é menos satisfatório)? Depois de diminuir a necessidade de dinheiro, reduzir a semana de trabalho pode ser o primeiro passo para uma vida mais gratificante e menos estressante?

Semana de 21 horas. A esta altura, isso deveria ser o óbvio, e não uma ideia radical. Um grupo de economistas do think tank britânico New Economics Foundatin (NEF) recomendou a mudança para uma semana de trabalho mais curta e publicou um relatório que descreve as motivações e o plano geral: “Uma semana de trabalho ‘normal’ de 21 horas poderia ajudar a resolver vários problemas urgentes e interligados: excesso de trabalho, desemprego, consumo excessivo, altas emissões de carbono, baixo nível de bem-estar, desigualdades enraizadas e falta de tempo para viver de forma sustentável, cuidar uns dos outros e simplesmente gozar a vida”.

Capítulo 20 – Como ser feliz

Não prometemos a felicidade, mas podemos apresentar apenas aquilo que pesquisas mostram que é eficaz. Isso é o mais próximo de um “guia de autoajuda”. Na verdade, esta lista deve ser vista mais como um conjunto de sugestões sobre como promover a criação de mudanças positivas e duradouras. Experimente você mesmo, em seu próprio ritmo, sem estresse:

Meditação com consciência plena. Ao contrário do que muitos livros de psicologia positiva de autoajuda querem que você acredite, deixar de lado as más lembranças e os pensamentos tristes, tentando e até conseguindo substituí-los apenas por felizes, é um método que não funciona. Em vez disso, separe todos os dias algum tempo para sua mente vagar livre. Encontre um lugar tranquilo, desligue o celular, feche os olhos, respire devagar e tente relaxar. Isso permitirá que seu corpo e sua mente criem conexões e aprendam com a imensa quantidade de estímulos aos quais você está constantemente exposto.

Anote o que precisa de resolução. Não importa se você de fato descobre soluções (embora fosse melhor se descobrisse): o ato de externar seus problemas ajuda a focá-los e colocá-los em perspectiva. Normalmente, tendemos a superestimar a importância ou o efeito que certos eventos têm em nossa vida e deixamos que os sentimentos irrestritos sejam o motor do estado de ânimo. Desse modo, você pode abordar as coisas de forma mais racional.

Exercite-se. Nosso corpo é uma extensão da mente. O sistema nervoso se estende para nossos braços, pernas, músculos. Os dados experimentais mostram que as pessoas que se exercitam são mais felizes do que as sedentárias (em circunstâncias controladas). Você não precisa fazer cursos caros ou praticar esportes radicais. Comece com algo simples, até mesmo uma corrida de dez ou vinte minutos funcionará. Se puder, ande de bicicleta em vez de carro. Com o tempo, começará a notar que isso fará com que se sinta melhor (e sua forma física também vai melhorar).

Estabeleça metas pequenas e realistas. Gostamos de sonhar grande e, se nosso objetivo é particularmente positivo e gratificante, experimentamos a sensação de fluxo e impulso. Isso tudo é ótimo, mas não devemos esquecer que a vida é feita de muitos momentos, e cada um deles conta. Estabeleça metas muito pequenas, até ridiculamente fáceis, como correr um minuto do nada. Tem de terminar um livro em breve? Tente estabelecer o objetivo de ler duas páginas em tantos minutos. Isso parece fácil e não exige esforço, então simplesmente faça.

Resenha: Rogério H. Jönck

Imagens: Reprodução e Unsplash

Ficha técnica:

Título: Os robôs vão roubar seu trabalho, mas tudo bem

Título original: Robots Will Steal Your Job, But That’s ok: How to Survive the Economic Collapse and Be Happy

Autor: Federico Pistono

Primeira edição: Portfolio Penguin